Cordel: Festa de Reis
12/08/2017 - 13h00 em Coluna do Cordel

Lembrando Carpina as Festas de Reis / Recordando sinto tanta saudade 

(Carpina-PE -Brasil - Agosto/2017)

Autor: Ivaldo Batista

 

Esses versos eu fiz para lembrar

Sobre a festa que ocorre em Carpina

Acredito que ninguém imagina

A grandeza que foi quero acordar

Vez por outra eu consigo recordar

Quanta gente invadia a cidade

 Eu era muito novo na idade

Mesmo assim compartilho com vocês.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto até saudade.

Essa festa tão linda é centenária

Os mais velhos carregam na memória

Os mais novos ouviram da sua gloria

Alguns pensam que é coisa lendária

Era feita pra toda faixa etária

Para aqueles que têm a boa idade

Pra crianças e toda mocidade

Em Janeiro o meu querido mês.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Para trazer aqui essa lembrança

Conversei com meu amigo RATEBI

Conversando com ele lá Web

Que também lembrou quando foi criança

Até hoje mantém a esperança

Que essa festa tenha vitalidade

Que possamos trazer a qualidade

Concordo com RATEBI que são três.

Lembrando Carpina Festa de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

 

Essa festa do jeito que está

Creio que pode desaparecer

Não deixemos isso acontecer

Essa tradição não pode acabar

É preciso lutar pra restaurar

É turismo para a localidade

No passado foi só felicidade

É preciso resgatar de uma vez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Essa festa marcou a nossa história

Ramos Silva é claro é testemunha

E quem não viveu apenas rascunha

Quem desconhece é gente simplória

Especular a sua trajetória

Pra alguns nostalgia de verdade

As lembranças nos deixam a vontade

E foi isso que o poeta fez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Tereza tem tantas recordações

E contando demonstra seu carinho

Essa festa ocupa um lugarzinho

E carrega um baú de emoções

Carpina foi Floresta dos Leões

E a festa já era realidade

Até hoje está em atividade

Em Janeiro vou dias cinco e seis.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

 

Bione ficava tão ansiosa

Quando o ano estava terminando

Nos brinquedos ela estava pensando

Aprontava-se pra ir toda cheirosa

Dessa festa ficava orgulhosa

Pra ela sempre foi prioridade

Não havia igual noutra cidade

Pode crer no que digo pra vocês.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Nessa festa se dava uma voltinha

E se via ali as multidões

Garotos fazendo declarações

De amor sempre numa barraquinha

O rapaz que falava pra mocinha

Expressava amor e lealdade

Havia pureza e ingenuidade

Cada um superando a timidez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Imponente e sempre tão brilhante

Essa festa carrega seus enredos

Nas voltinhas que demos nos brinquedos

Inclusive na tal roda gigante

Uma festa feita pra os brincantes

Essa terra era só noticidade

Os brinquedos havia em quantidade

Cada qual demonstrando altivez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

 

Ai que bom é lembrar o carrossel

Não esqueço também de uma barraca

Onde a mulher virava macaca

Eu resgato aqui nesse cordel

Pra Carpina tiramos o chapéu

Por que sempre mostrou capacidade

De vencer toda adversidade

Hoje espero que não vos conformeis.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

As cantigas de roda tem seu nome

Cada uma com sua animação

Mas tem gente por medo ou por paixão

Que queria olhar o lobisomem

De pavor tem gente que até some

Seus amigos caçoam a vontade

Tudo isso com naturalidade

Não esqueci os gritos da Inês.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto até saudade.

O meu tio botava a carrocinha

Ciço tinha o doce e o sabor

Quem não lembra a Maçã do amor

Que vendia em uma barraquinha

Era um mundo ali nessa pracinha

Nessa festa havia variedade

Quantidade e também qualidade

Que até hoje eu me tornei freguês.

Lembrando carpina as Festas de Reis

Recordando sinto até saudade.

 

Era a festa de fato tão bacana

Vinha gente de Tiúma e Itambé

Paudalho, Feira Nova e Nazaré

São Lourenço, Orobó, Macaparana

Bom Jardim, Aliança e Goiana

Todos que eram das proximidades

Outros distante uma eternidade

Já vieram ao menos uma vez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Andar nessa festa era imprensado

Porém o povo jamais desistia

Buenos Aires e Chã de Alegria

Gravatá, Limoeiro e Condado

E demais cidades no nosso Estado

O Brasil todo vinha pra cidade

Em carpina se sentia a vontade

Até gente com sotaque francês.

Lembrando carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Seu Heleno não perdia uma festa

Todo ano ia marcar presença

Aos seus filhos era imposta uma sentença

Só a festa de Carpina é que presta

Impossível é não lembrar-se desta

Pela qual manteve a lealdade

Compromisso e também seriedade

Testifica a sua robustez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

 

No passado também estive lá

Da Rua João batista de Carvalho

Eu não precisava fazer atalho

Pra chegar à festa e passear

Ansioso por lá ia chegar

Com a roupa nova da vaidade

No rosto havia felicidade

Ai quem dera voltasse outra vez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Era a festa toda iluminada

Tanta luz a praça toda acesa

Imagino os passeios de Tereza

Indo e vindo andando na calçada

Bem se via naquela caminhada

A danada era só simplicidade

No rosto mostrava felicidade

Paquerada deixou chorando uns três.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Lá havia quarenta mil brinquedos

Com mais de cinquenta rodas gigante

Carroceis se via a todo instante

Em alguns confesso eu tinha medo

De correr nuns brinquedos é segredo

Afinal eu tão novo na idade

Mas a festa era toda de amizade

Lembro Amaro Seu Lula e Juarez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

 

Tais momentos eu vou compartilhar

Na cidade tem amigos de “moi”

Flavio Nicetas e Ramos Caloi

Mauriceia e Milca irão lembrar

Tais momentos eu quero recordar

Por que sei que temos capacidade

De fazer do passado realidade

E testificar nossa lucidez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Se um dia essa festa acabar

Vai ficar tão triste meu coração

Enterrando essa grande tradição

Nossa população vai já cobrar

É preciso a gente mobilizar

Convidar toda a comunidade

E pedir a toda autoridade

Que trate o tema com sensatez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Que nosso padroeiro São José

Aceite a nossa convocação

Nessa luta faço a saudação

Carpinteiro de amor e de fé

Seja tudo do jeito que Deus quer

Entre os Reis havia fraternidade

Nossa luta é pela identidade

Não é hora de se dizer talvez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

 

Acredito na força fraternal

De Gaspar Baltazar e Belchior

Nossa Festa de Reis já foi melhor

Completando o ciclo do Natal

Somos essa tradição nacional

Valorizando a historicidade

Fato base para civilidade

Vejo tudo isso com nitidez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

A festa de reis é da nossa gente

Importante pra nossa economia

Hoje temos um tom de nostalgia

Na poesia ela está presente

Só de sonhar eu fico tão contente

Pois a festa é cara da cidade

Ela sempre deu notoriedade

A cidade tem essa avidez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

Ao Senhor, Carpina diz obrigado

Por ter vivido tantas emoções

Um passado de realizações

Acordou esse povo abençoado

No cordel vou deixando meu recado

Nesses versos vestidos de humildade

Reconheço o bem pra humanidade

Se houvesse um resgate outra vez.

Lembrando Carpina as Festas de Reis

Recordando sinto tanta saudade.

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!